Dessensibilize-se já!

Saturday, 31 May 2014, 14:36 | Tags: , , , , | Nenhum comentário
Postado por Fábio Betti 

Homem Sem RostoQuer comer carne? Não olhe o bife mal-passado a sua frente como um pedaço daquele bezerrinho que você abraçou quando criança. Frango assado? Apague de sua memória o pintinho amarelinho que você criou na caixa de sapatos e, quando começou a crescer, seus pais trataram de dar-lhe um sumiço. Se já mergulhou, nem que tenha sido de snorkel, nem pensar naqueles peixinhos coloridos que você alimentou com migalhas de pão, porque a moqueca está servida!

Quer aproveitar esse friozinho do inverno para degustar um fondue com aquele estupendo vinho chileno que você trouxe de sua última viagem ao exterior? Não ouse abrir a janela! Vai que você acabe vendo a imagem indigesta de um mendigo maltrapilho envolvo no jornal. Pior, vai que o mendigo é uma criança de rua abandonada à sua própria sorte, enquanto os seus filhos têm tudo do bom e do melhor. Mantenha, por favor, as cortinas fechadas e, ao sair à rua de carro, procure deixar o vidro sempre levantado e, de preferência, coloque um insulfilm bem escuro.

Fale mal do trânsito, sim, esse absurdo trânsito que você tem que encarar todos os dias, da casa para o trabalho, do trabalho para casa. Só não pense nas milhões de pessoas que não têm a possibilidade de contar com um carro bacana como o seu e estão aí todos os dias se acotovelando nos vagões da vida, espremidas como gado, em pé nos ônibus onde as mulheres são rotineiramente bolinadas e a bandidagem corre solta. Importante: jamais lembre-se de que você está dentro de um carro, como, aliás, todas as milhares de pessoas que, como você, reclamam do trânsito e, para poder fazer isso em alto e bom som, com o peito estufado a dizer “que absurdo, onde vamos parar?”, não podem, sob qualquer hipótese, tomar consciência de que elas, de fato, é que são o trânsito.

Seja contra o aborto, esse ato covarde, hediondo! Mas evite, a todo custo, lembrar daquela conhecida que fez um aborto quando jovem, afinal, ao cometer essa ação definida como criminosa, ela deveria ser presa. Não leia jornais. Eles costumam trazer histórias de mulheres que abortam porque foram estupradas, notícias sobre abortos clandestinos que colocam em risco a vida dessas mulheres, enfim, coisas horrorosas que é melhor você não saber.

Seja terminantemente contra as drogas! Deixe para lá aquele cigarrinho de maconha que você experimentou na época da faculdade – mas não tragou, claro! E nem se informe sobre o que a clandestinidade das drogas gera em se tratando de crime organizado. Ah! Claro, nem vá atrás do significado de droga, porque pode acabar descobrindo que aquela inocente cervejinha que você toma com seus amigos às sextas-feiras também está nessa categoria. Ah! Claro, é uma droga lícita. Isso! Se for para associar a cervejinha à droga, não vá muito mais longe do “é tudo dentro da lei!”

Diga o que pensa, sempre! Assim, de bato pronto, sem pensar. Afinal, você é uma pessoa totalmente sincera, né? Mas, por favor, não vá imaginar que o que você fala pode causar sofrimento a outras pessoas. Aliás, por várias vezes, é exatamente isso o que você quis provocar no outro quando disse o que pensava – na verdade, um julgamento disfarçado em “só estou sendo sincero”. Não pare para pensar sobre isso, sobre os danos que suas “verdades” podem causar no outro sob o risco de você perder essa espontaneidade tão interessante e da qual você tanto se orgulha.

Aliás, critique sempre o comportamento alheio, especialmente, o que merece ser publicamente punido. Poste no Facebook a foto daquela mulher estacionando na vaga reservada para deficientes. Fale mal dos políticos corruptos, dos governos corruptos, dos bandidos de colarinho branco. E, de sua parte, continue publicando aqueles selfies com você sorrindo na frente de paisagens estonteantes. Vanglorie-se do prato delicioso que teve de almoço. No entanto, jamais, jamais mesmo pare para pensar e se dê conta das inúmeras vezes que você cometeu pequenos delitos, crueldades efêmeras perto do que esses que você tanto critica têm feito, né? O que é comprar um devedezinho pirata? Ou baixar uma musiquinha do 4Shared? E arrumar uma notinha a mais para pagar menos imposto de renda? Andar acima da velocidade é crime? Estacionar em local proibido também? Ah vá! Quem nunca? Esconda de si mesmo as mentiras inocentes, as trapacinhas, as miguelagens, as tristezas, as decepções. Deixe esses pensamentos bobos de lado e continue firme em sua jornada rumo à dessensibilização total. Quem sabe um dia você finalmente consiga se livrar dessa condição tão limitada que é ser humano?

Comentário